21 de set. de 2023

Banco Central volta a reduzir taxa de juros em 0,5 ponto percentual, para 12,75%

 Foi o segundo corte dos juros desde agosto, quando o Copom interrompeu o ciclo de aperto monetário. Decisão foi unânime e já era esperada

JPCN.Blog
Criado em 1964, Banco Central é uma autarquia federal que integra o Sistema Financeiro Nacional (SFN) - Enildo Amaral/BCB


Em sua sexta reunião em 2023 para definir a taxa básica de juros da economia brasileira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu por uma nova redução de 0,5 ponto percentual, levando a Selic para 12,75% ao ano. O anúncio, que já era esperado pelo mercado, aconteceu no início da noite desta quarta-feira (20/9). A votação foi unânime.


Foi o segundo corte dos juros desde agosto, quando o Copom interrompeu o ciclo de aperto monetário e baixou a Selic em 0,5 ponto percentual, de 13,75% para 13,25% ao ano.


É a segunda reunião do colegiado desde a entrada dos dois novos integrantes indicados pelo governo: Gabriel Galípolo, diretor de Política Monetária, e Ailton Aquino, diretor de Fiscalização.


O novo patamar da Selic é o menor desde a reunião do Copom de março de 2022, quando os juros estavam em 11,75% ao ano. Em maio de 2022, a Selic foi para 12,75% ao ano.


Antes de os juros chegarem a 13,75% ao ano, o Copom havia elevado a Selic 12 vezes seguidas, em um ciclo que teve início em março de 2021, em meio à alta nos preços de alimentos, energia e combustíveis.


Havia um consenso no mercado de que a Selic seria reduzida novamente em 0,5 ponto percentual. O próprio Copom indicou, no comunicado que acompanhou a última decisão, que seguiria esse caminho de cortes. A principal explicação é a desaceleração consistente da inflação no Brasil nos últimos meses.


Segundo economistas e agentes do mercado, a grande dúvida em relação ao ritmo de cortes da Selic envolve as duas últimas reuniões do Copom neste ano, em novembro e dezembro. Especialmente nesse último encontro, em tese, há possibilidade de o BC aprofundar a redução dos juros básicos em 0,75 ponto percentual – a depender do avanço da pauta fiscal e do comportamento da inflação.


Inflação

A taxa básica de juros é o principal instrumento do BC para controlar a inflação. A Selic é utilizada nas negociações de títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas da economia.


Quando o Copom aumenta os juros, o objetivo é conter a demanda aquecida, o que se reflete nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Assim, taxas mais altas também podem conter a atividade econômica.


Ao reduzir a Selic, a tendência é a de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.


Em agosto, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, ficou em 0,23%. Embora tenha acelerado em relação a julho (quando foi de 0,12%), o indicador veio abaixo das projeções do mercado.


No acumulado de 12 meses, até agosto, a inflação no país foi de 4,61%. Segundo o Conselho Monetário Nacional (CMN), a meta de inflação para este ano é 3,25%. Como há intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, a meta será cumprida se ficar entre 1,75% e 4,75%.


Segundo o último Relatório Focus, do BC, divulgado na segunda-feira (18/9), a inflação no Brasil deve terminar este ano em 4,86%. A Selic, por sua vez, deve fechar 2023 em 11,75% ao ano.


Reunião do Copom

O Copom se reúne a cada 45 dias. No primeiro dia de reuniões, são feitas apresentações técnicas sobre a evolução e as perspectivas da economia no Brasil e no mundo, além do comportamento do mercado financeiro. No segundo dia, os membros do comitê definem a taxa Selic.


A próxima reunião do comitê está marcada para os dias 31 de outubro e 1º de novembro. Depois dela, haverá um último encontro em 2023, em 12 e 13 de dezembro.


*Metrópoles 

Marcadores: , , , , , , , , , , ,

17 de jul. de 2023

Alta de preço do ovo de galinha é a maior desde 2013, diz IPCA

Um dos motivos é o aumento de preços das proteínas concorrentes

De acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o preço do ovo de galinha subiu 22,93% nos últimos 12 meses. Trata-se da maior alta de preços do alimento em uma década.


De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em julho de 2013, o aumento no valor do ovo foi de 24,54%.


O analista da pesquisa do IBGE, André Almeida, informou à Folha de São Paulo que a carestia do ovo pode ser associada a uma série de fatores, como o aumento dos custos de produção, a menor oferta e o crescimento do consumo.


Outro motivo seria o aumento de preços das proteínas concorrentes. Com a inflação elevada nas carnes, o ovo passa a ser visto como um substituto e isso aumenta seu valor.


As capitais com as maiores altas de preços do ovo até junho foram Belo Horizonte (31,92%), Aracaju (30,36%) e Goiânia (28,94%). Em São Paulo, o alimento subiu 24,51% no mesmo período.


*Pleno.news 

Marcadores: , , , , , , , , ,

3 de abr. de 2023

Correios vão aumentar tarifas de cartas e telegramas em 5,5%

Novos preços passam a valer a partir de hoje e refletem inflação acumulada no ano passado

Alsorsa.News | Correios vão aumentar tarifas de cartas e telegramas em 5,5%
Imagem: Evandro Leal/Agência Enquadrar/Folhapress


O Ministério das Comunicações publicou hoje uma portaria que autoriza os Correios a aumentarem os preços de envios de cartas e telegramas nacionais e internacionais em 5,495%.


O que aconteceu?

Reajuste reflete inflação de 2022, segundo a pasta. A medida foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União


Novos preços passam a valer a partir de hoje.


O valor da postagem de uma carta nacional, por exemplo, vai passar de R$ 2,35 a R$ 2,45 para itens de até 20 gramas.


Já o telegrama via agência passa de R$ 14,30 a R$ 14,90


A postagem internacional depende da região do país de destino. Os novos preços vão de R$ 2 a R$ 3 na modalidade econômica para pacotes de até 20 gramas.


Os reajustes anuais nos preços dos Correios são comuns. No ano passado, uma portaria semelhante foi publicada em 20 de abril.


*UOL 

Marcadores: , , , , ,

14 de mar. de 2023

Mercado financeiro projeta aumento da inflação para 5,96%

Estimativa consta do Boletim Focus, pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central

Alsorsa.News | Mercado financeiro projeta aumento da inflação para 5,96%

Economia (Imagem ilustrativa) Reprodução 

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país, subiu de 5,9% para 5,96% para este ano. A estimativa consta do Boletim Focus, pesquisa divulgada semanalmente, em Brasília, pelo Banco Central (BC), com a expectativa de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos.


A estimativa para este ano está acima do teto da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. Definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), a meta é de 3,25% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é de 1,75% e o superior de 4,75%.


Da mesma forma, a projeção do mercado para a inflação de 2024 também está acima do centro da meta prevista, fixada em 3%, mas ainda dentro do intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual.


Em janeiro, puxado principalmente pelo aumento dos preços de alimentos e combustíveis, o IPCA ficou em 0,53%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


JUROS

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, definida em 13,75% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom). A taxa está nesse nível desde agosto do ano passado, e é o maior nível desde janeiro de 2017, quando também estava nesse patamar.


Para o mercado financeiro, a expectativa é de que a Selic encerre o ano em 12,75% ao ano. Para o fim de 2024, a estimativa é de que a taxa básica caia para 10% ao ano. Já para o fim de 2025 e 2026, a previsão é de Selic em 9% ao ano e 8,75% ao ano, respectivamente.


Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Desse modo, taxas mais altas também podem dificultar a expansão da economia. Mas, além da Selic, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.


Quando o Copom diminui a Selic, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação e estimulando a atividade econômica.


PIB E CÂMBIO

A projeção das instituições financeiras para o crescimento da economia brasileira neste ano também subiu de 0,85% para 0,89%.


Para 2024, a expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todos os bens e serviços produzidos no país) é de crescimento de 1,5%. Para 2025 e 2026, o mercado financeiro projeta expansão do PIB em 1,8% e 1,98%, respectivamente. A expectativa para a cotação do dólar está em R$ 5,25 para o fim deste ano. Para o final de 2024, a previsão é de que a moeda americana fique em R$ 5,30.


*Pleno.news/*Com informações da Agência Brasil

Marcadores: , , , , ,

3 de mar. de 2023

Ibovespa tem pior fevereiro em 22 anos

O mês de fevereiro terminou com uma baixa histórica para Ibovespa, que é o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (B3). A baixa foi de 7,49%, aos 104 mil pontos. O Ibovespa é o mais importante indicador do desempenho médio das cotações das ações negociadas na B3.

Alsorsa.News | Ibovespa tem pior fevereiro em 22 anosFoto: Csaba Nagy/Pixabay

Essa é a pior marca já registrada no mês em 22 anos. As incertezas no cenário econômico global e doméstico puxaram o Ibovespa para baixo.


Com a queda de braço entre o Governo Lula e o Banco Central (BC), a conjuntura interna preocupou investidores, que temem alguma forma de intervenção na política monetária.


No início de fevereiro, o Copom do BC manteve a taxa básica de juros Selic em 13,75% ao ano.


Os indicativos são de que os cortes nos juros não devem acontecer tão cedo por causa do risco fiscal e de perspectivas de inflação mais alta.


O pacote econômico para ajuste das contas públicas apresentado por Haddad não convenceu o mercado financeiro.


*Gazeta do Brasil 

Marcadores: , , , , , , , ,

26 de jan. de 2023

Economia e Finanças: Saiba o que os especialistas esperam para 2023

Inflação persistente, cenário externo incerto. Veja os destaques do cenário econômico de 2023

Alsorsa.News | Economia e Finanças: Saiba o que os especialistas esperam para 2023

Cautela e proteção… Parece slogan de seguradora, mas é a recomendação do economista-chefe da Eleven Financial Research, Thomaz Sarquis, para uma navegação segura de 2023, ano que começa marcado por turbulências e incertezas.


Com a nova administração do Planalto pelejando para tomar as rédeas da economia, em meio a um cenário político interno conturbado e sinais pouco promissores vindos do exterior, uma coisa já está clara: 2023 será um ano difícil.


Não que tenhamos pela frente, necessariamente, mares tempestuosos ou perspectivas de naufrágio. Afinal, os obstáculos são bem conhecidos e até as rotas para vencê-los contam com um certo consenso. Os avanços, no entanto, prometem ser mais lentos e custosos. Vamos ter quer remar contra o vento.


Crescimento baixo e inflação persistente

Os especialistas consultados pelo Metrópoles preveem um ano com baixo crescimento, mercado de trabalho enfraquecido, inflação resiliente e pouco espaço para redução de juros. Portanto, é tempo de ser (ainda mais) cuidadoso na administração do dinheiro. A boa notícia é que, se o país fizer o dever de casa, pode fechar o ano com algum saldo positivo. “O item mais importante da

pauta econômica em 2023 é a nova regra fiscal”, diz Adriano Vilela Sampaio, especialista em Macroeconomia e professor da Faculdade de Economia da UFF (Universidade Federal Fluminense).


“O teto de gastos já estava inviabilizado. Foi uma morte que não causou nenhuma comoção. Se formos agora para um caminho de meta de gastos, como vem sendo aventado, vamos ter mais previsibilidade e estabilidade”, acredita o professor.


A equipe econômica comandada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, vem trabalhando na proposta de uma regra fiscal baseada em metas de gastos anuais que sinalizem uma trajetória realista de equilíbrio das contas públicas.


“É uma oportunidade e é urgente ter uma regra clara que a gente possa levar por alguns anos. Se o governo conseguir apresentar isso antes do meio do ano, essa questão do gasto público, que gera muita incerteza, fica mais equacionada”, defende Sampaio.


De fato, as contas públicas são a variante que vai definir os rumos da economia brasileira em 2023. O país viveu nos últimos anos um acúmulo de afrouxamentos fiscais que levaram a uma perspectiva preocupante: despesas com a pandemia em 2020 (essas, é claro, inevitáveis), PEC dos Precatórios em 2021, PEC Kamikaze em 2022 e, agora, PEC da Transição.


“Esse aumento do gasto público é ruim para o país, porque a nossa moeda se desvaloriza, gerando inflação. O mercado também passa a pedir uma taxa de juros maior para financiar os gastos do governo”, lembra Sarquis.

Imagem colorida mostra Fernando Haddad, ministro da Fazenda de Lula - Metrópoles

Fernando Haddad, ministro da Fazenda de Lula

Incertezas que vêm de fora

Rafael Rondinelli, analista de Macroeconomia do Banco Modal, ressalta que as incertezas vêm também do cenário externo. “A inflação em termos globais, ainda que tenha dado alguns sinais de arrefecimento, continua em nível bastante elevado, principalmente nos EUA, onde o mercado de trabalho segue aquecido, ainda que não nos mesmos níveis de alguns meses atrás. Na China, outro mercado importantíssimo, a reabertura pós-Covid é um foco de atenção. Pode haver problemas nas empresas, com falta de mão de obra, assim como pode, por outro lado, surgir uma pressão inflacionária de demanda”, diz.


Sarquis enxerga sinais mais positivos vindos de fora. “Vejo uma ligeira melhora, com China reabrindo, EUA com dados de inflação recentes abaixo do esperado… Há alguma perspectiva geral de abrandamento inflacionário, com taxas de juros mais estáveis”, acredita o economista.


Já sobre a condução da política econômica no Brasil, Rondinelli se preocupa com o perfil desenvolvimentista da nova gestão. “Temos um governo com uma visão de crescimento induzido pelo Estado. Isso pode gerar um impulso inicial, mas ao custo de um risco acentuado de inflação mais alta”.


Rondinelli vem trabalhando com uma previsão de inflação para 2023 em 5,95%, perspectiva mais pessimista que a média do mercado (5,39%, segundo o Boletim Focus de 13/01). Sarquis não fica distante: espera 5,7% no fechamento do ano. “É questão de tempo o mercado elevar as projeções”, diz o analista.


Convém lembrar que a inflação, medida pelo IPCA, terminou 2022 em 5,79%, acima da meta de 3,5%, com tolerância de 1,5%. Até o Banco Central já admite um novo estouro da meta de tolerância de 2023, que é de 4,75%.


Fim da desoneração?

Um dos fatores que pode levar a um repique da inflação é o eventual fim da desoneração da gasolina, algo que parece inevitável em algum momento diante da fragilidade do caixa da União.


O governo estendeu o benefício – criado com fins eleitoreiros no ano passado – até 28 de fevereiro. A equipe econômica conta com a exoneração em sua cruzada para reduzir o déficit fiscal do ano, mas a decisão passa pela questão política e a palavra final caberá ao presidente Lula.


Estima-se que, nos postos, o combustível possa aumentar R$ 0,70 por litro com o fim da isenção de impostos federais. “É uma situação muito delicada herdada por esse governo, difícil de desarmar. Se voltar a ser como era, vai dar um pico de inflação”, avisa Sampaio, que, ainda assim, acredita num IPCA mais contido para esse ano, um pouco abaixo do fechamento de 2022, mas ainda na casa dos 5%.


Para o professor, no entanto, um IPCA ligeiramente menor que o do ano passado não vai deixar espaço para uma redução significativa da taxa de juros. “A expectativa ainda é de alguma queda da Selic a partir do segundo semestre. Mas há um mês a gente esperava uma taxa mais perto de 10% no fim de 2013. Agora se trabalha com cerca de 12%. No nível em que estamos, cair 1 ponto, 1 ponto e meio é muito pouco”, diz.


Sem tração

Com a Selic a 13,75%, o Brasil começa 2023 liderando o ranking global de juros reais. Em carta aberta ao ministro da Fazenda, o BC previu que, ao longo do primeiro trimestre, a taxa de juros reais fique em 7,8% e chegue ao fim do ano em 6,9%.


São taxas com grande capacidade contracionista que já começam a surtir efeito na economia real. O varejo apresentou queda de 0,6% em novembro. O setor de serviços, depois de acumular alta de 5,8% de março a setembro, caiu 0,5% em outubro e ficou em 0% em novembro. Sinais claros de um 2023 desacelerado.


“É difícil imaginar de onde possa vir alguma tração”, diz Sampaio. “Tanto no Brasil quanto no resto do mundo, a expectativa é de um crescimento fraco. Se em 2022, o PIB deve ter fechado em torno de 3%, o que não é ruim, para esse ano as previsões não chegam a 1%” (0,77%, segundo o Boletim Focus de 13/01).


Sampaio chama a atenção para o endividamento, que se mantém nos maiores níveis da série histórica, comprometendo, em média, 28,2% da renda das famílias (dados do BC referentes a outubro). “Tivemos uma elevação de mais de 10 pontos na taxa de juros em dois anos. Isso impacta a família já endividada. Até para renovar a dívida fica mais complicado”.


Com um quadro de endividamento e inadimplência crescentes, os bancos ficam mais seletivos na hora de conceder qualquer tipo de financiamento. O BC já prevê que a expansão do crédito, que vinha girando em 15% ao ano desde 2019, vai recuar para 8% em 2023.


Custos de financiamento no pico também inibem a perspectiva de novos investimentos por parte das empresas. “Juros reais na faixa de 8% funcionam como um sinal para as empresas de que é melhor

esperar. Com ganhos financeiros da ordem de 1% ao mês, emprestando para o governo, e em cenário de incerteza, a decisão por um investimento é muito difícil”, diz Rondinelli.


Sem investimento, os empregos, obviamente, não são gerados. Com isso, a expectativa é de que o movimento de redução das taxas de desemprego visto nos últimos anos, arrefeça. “A recuperação de vagas que tivemos foi importante”, diz Sampaio. “Mas esse movimento veio com rendimento estagnado. Então, essa reação não ajudou a dar tração ao consumo”.


Proteção e cautela

Se o ano é desafiador, os analistas consultados pelo Metrópoles também veem brechas que, se bem exploradas, podem favorecer um cenário mais positivo. E deixam algumas recomendações no trato com o dinheiro em 2023.


“Uma preocupação é o governo começar a contar com receitas extraordinárias para reduzir o déficit (como é o caso das renegociações de dívidas tributárias previstas no pacote apresentado por Haddad). A tendência é contratar despesas que se tornam permanentes. Mas é importante ouvir de um ministro da Economia a disposição em reduzir despesas. Agora, é o caso de esperar e ver o arcabouço fiscal que o governo vai apresentar nos próximos meses para poder tomar uma decisão de investimento mais assentada nos fatos”, recomenda Rondinelli.


“A Reforma Tributária é um fator me deixa otimista”, aponta Sarquis. “Não pelo impacto fiscal, mas pelos ganhos de eficiência. Uma reforma bem feita seria semelhante ao que já está na PEC 45 (que tramita na Câmara dos Deputados desde 2019). E tem chances de sair esse ano, se o cenário político for positivo. Por enquanto, é hora de deixar o dinheiro em títulos públicos e até privados atrelados à inflação”.


O cenário político, aliás, é outro fator destacado por Sampaio. “Se o que aconteceu no 8 de janeiro (a invasão de prédios dos Poderes, em Brasília) for realmente apenas episódico, como parece se desenhar, vamos ter mais estabilidade e, então, poderemos discutir os temas realmente relevantes para o país… Isso melhora as perspectivas. Mas não dá para esperar que a Economia vá bombar”.


*Metrópoles 

Marcadores: , , , ,

2 de nov. de 2022

Argentina anuncia 9º congelamento de preços em 9 anos

Envolta em uma crise econômica que já perdura quase uma década, a Argentina voltou a anunciar congelamento de preços

Alsorsa.News |
Imagem: Shutterstock

O fim do boom das commodities no início da década atual acertou países como Brasil e Argentina em cheio. Acostumados aos anos de bonança, ambos os países se viram em meio a uma expansão desenfreada de gastos públicos, agora sem a contrapartida na receita.


No caso argentino, a situação tornou-se ainda pior, tendo em vista o perfil do endividamento do governo. Há décadas a Argentina convive com uma dívida praticamente toda dolarizada, o que demanda o uso de receitas com exportações de commodities agrícolas para pagar os compromissos do governo.


Essa situação, somada à ausência de políticas econômicas como as adotadas pelo Brasil nos anos 90, mergulhou o país em uma situação de difícil reversão.


Na prática, o governo argentino gasta em excesso, incluindo quase 4% do PIB em subsídios de contas de água e luz para seus cidadãos, e este gasto é pago com a impressão de moeda pelo banco central.


O dólar, a moeda que o governo necessita para pagar suas dívidas, tornou-se escasso, enquanto o peso abundante. A situação, que faz os argentinos se refugiarem em moedas como o Bitcoin (que não pode ser controlado pelo governo local), também afeta outras políticas de governo.


Para amenizar a situação das famílias, o governo amplia gastos sociais, o que por sua vez pressiona ainda mais o orçamento, forçando o Banco Central a emitir ainda mais dinheiro.


Agora, como em outras 8 vezes desde 2013, o governo do país anunciou medidas para congelar os preços.


O congelamento deve durar 120 dias e afetará 86% dos produtos considerados de consumo de massa.


Empresas que descumprirem o congelamento poderão ser multadas em até US$240 milhões.


A inflação no país atingiu 6,2% apenas no mês de setembro. Para o ano, a previsão é de que encoste nos 100%.


A grande novidade do atual congelamento é o uso de um app, o “Mi Argentina”, para verificar os preços de referência.


*BlockTrends 

Marcadores: , , , , , , ,

24 de ago. de 2022

Inflação brasileira pode fechar o ano mais baixa que a dos EUA, Europa e Reino Unido

 Variação do índice de preços deve fechar abaixo de 7% ante estimativas de 8% (EUA), 7,5% (Zona do Euro) e 13% (Reino Unido)


A inflação brasileira caminha para encerrar o ano de 2022 abaixo dos índices dos Estados Unidos, Europa e Reino Unido. Será a primeira vez que isso acontecerá caso as projeções do mercado financeiro se concretizem. A variação do índice oficial de preços ao consumidor deve fechar abaixo de 7% contra estimativas de 8% nos Estados Unidos, 7,5% na Zona do Euro e 13% no Reino Unido.

Depois de registrar em julho queda de 0,68%, o menor resultado da série histórica do índice, iniciada em janeiro de 1980, de acordo com dados de IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a previsão do mercado é que o índice de preços tenha novo recuo em agosto (-0,26%).

O IPCA (índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que acumula 10,07% nos últimos 12 meses, deve voltar a ter um dígito e ficar menos distante do teto da meta estabelecida pelo governo para o período, de 3,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto (de 2% a 5%). No ano, o índice tem alta de 4,77%.

Pela oitava semana consecutiva, as expectativas para a inflação do Boletim Focus, do Banco Central, divulgado nesta segunda-feira (22), recuaram. As projeções mostram o IPCA de 2022 em 6,82%, ante alta prevista de 7,02%. Há quatro semanas, a estimativa era de um salto de 7,3% nos 12 meses finalizados no próximo mês de dezembro.

“Esse período de maior pressão inflacionária concentrada em alimentos parece que vai oferecer uma trégua. Não que a alimentação vá apresentar alguma queda de preços, como a gasolina apresentou. Isso está longe de acontecer. Mas uma desaceleração pode acontecer em agosto”, afirma o economista André Braz, do FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas).

A inflação tem sido um problema não só para o Brasil, mas também para outros países. Após os impactos econômicos da pandemia de Covid-19, o aumento do preço de matérias-primas, principalmente do petróleo, por causa da guerra entre Rússia e Ucrânia, pressionou os preços no mundo.

Além do conflito, houve ainda os lockdowns na China, que provocaram gargalos de produção. Esses fatores, somados a questões locais, fizeram com que várias nações registrassem grande variação da inflação.

O economista do Ibre explica que o mundo está passando por pressão inflacionária maior. E o remédio para conter essa inflação é exatamente o aumento de juros, como tem sido feito no Brasil. A taxa básica de juros, a Selic, já registrou 12 altas seguidas desde março de 2021 e está em 13,75% ao ano.

“Mas esse aumento de juros gera um efeito colateral que é essa desaceleração da atividade econômica. E o primeiro sinal de que isso está acontecendo é exatamente o das commodities que já começam a cair. Quando a gente observa no mercado internacional o preço do trigo, milho, soja, carne, açúcar e outros alimentos, começa a ver desaceleração. Então essa desaceleração que se apresenta em dólar acaba chegando para a gente. Porque essas commodities seguem tendência do mercado internacional. Se o mundo está desacelerando, está com demanda menor pelas commodities. E essa demanda menor ajuda a esfriar o nível de preços.


ANDRÉ BRAZ, DO FGV IBRE


Com o movimento de desaceleração sustentada por essa possibilidade de o mundo crescer menos, dada a necessidade de aumento de juros para conter a inflação, ao longo de agosto e setembro os brasileiros devem ver a alimentação ainda com inflação, mas mais baixa do que vem registrando nos últimos meses. 

“Tem chance de o país fechar o ano com índice de preços menor que nos Estados Unidos, Europa e Reino Unido, porque a expectativa da gente estava em torno de 7%, agora já está próxima de 6,5% e, a depender do resultado da inflação de agosto, pode até ficar abaixo de 6%”, estima.

Mas boa parte dessa desaceleração fica muito concentrada em gasolina e energia elétrica, com a redução da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre a gasolina e a energia elétrica nos estados e a medida do governo federal que zerou o PIS/Cofins sobre a gasolina e o etanol até o fim deste ano. 

Além disso, a Petrobras reduziu os preços nas refinarias por três vezes em menos de um mês, com adequação aos valores globais do petróleo. O resultado já é sentido nas bombas. O valor médio do litro já recuou 26,9% (R$ 1,99), em dois meses.

Segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), o preço médio do combustível chegou a R$ 5,40, na semana de 14 a 19 de agosto, o valor mais baixo desde maio de 2021.


No entanto, a desaceleração não alcança exatamente toda a população brasileira. Isso porque a gasolina é mais usada pela classe média alta. Para o economista, essa redução vai ser percebida com mais intensidade em orçamentos de famílias mais ricas.

Essa inflação mais geral que desacelera com fôlego na gasolina vai ser percebida pelos mais ricos. Mas os mais pobres também vão perceber a desaceleração, mas com menor intensidade, mais lenta, em torno dos alimentos.


ANDRÉ BRAZ 


A tendência é que esse movimento se acentue nos próximos meses. “Para este ano, a gente espera uma desaceleração mais geral dos preços, algo que não estava no radar, impulsionado pela perda de fôlego da economia mundial. Mas a maior intensidade desse movimento, infelizmente, sentido pelos mais ricos, porque é basicamente sustentada pela energia e gasolina. Os mais pobres vão pegar alguma coisa de alimentação, mas de menor intensidade”, acrescenta Braz.


Fenômeno Global

A economista Claudia Moreno, do C6 Bank, explica que a inflação hoje é um fenômeno global. No Brasil, o IPCA acumula alta de 10% em 12 meses até julho deste ano. Na Zona do Euro, o índice de preços bateu recorde e subiu 8,9% no mesmo período. No Reino Unido, atingiu 10,1% e também foi a mais alta já vista. Por fim, nos EUA a inflação acumula alta de 8,5%.

“Tivemos um choque global que começou com a crise sanitária, passou por problemas na cadeia global de produção de bens, forte alta de commodities e guerra na Ucrânia. Além de todos esses choques, tivemos estímulos dados em excesso durante a pandemia em alguns países, como foi o caso dos Estados Unidos”, afirma a economista do C6 Bank.

Segundo ela, as comparações devem levar em conta as particularidades de cada país. Nos EUA, a economia forte e o mercado superaquecido mantêm a inflação alta, pelo lado da demanda. A Europa sofreu recentemente o impacto da alta dos preços de energia, que estão levando a inflação para níveis altíssimos. E essa é uma questão complicada, sofrem com preços altos por uma restrição na oferta de gás.

Aqui no Brasil, tivemos choques globais somados a um câmbio mais depreciado no pós-pandemia, mas recentemente algumas medidas aprovadas no Congresso puxaram a inflação para baixo e estão trazendo um alívio grande para o consumidor. Projetamos que o IPCA feche o ano em 6,5%, sendo que nos nossos cálculos, as medidas de queda de impostos reduziram a inflação em 2,5 pontos percentuais. À frente, a inércia da inflação, de serviços principalmente, deve manter a inflação ainda elevada no Brasil, projetamos IPCA em 5,7% para 2023.


CLAUDIA MORENO, ECONOMISTA DO C6 BANK


No exterior

A taxa de inflação da Alemanha, a maior economia da zona do euro, poderá atingir pico de mais de 10% até o fim do ano, de acordo com relatório mensal do Bundesbank (Banco Central da Alemanha), publicado nesta segunda-feira (22).

A Alemanha tem sido um dos países europeus mais prejudicados pela decisão da Rússia de cortar suas exportações de gás para a região, em resposta às sanções que a União Europeia (UE) impôs a Moscou pela guerra na Ucrânia.

No Reino Unido, que também sofre com aumento da energia após a invasão russa da Ucrânia, o índice de preços saltou para 10,1% em julho, o mais elevado em 40 anos, de acordo com o ONS (Escritório Nacional de Estatísticas). Em junho, a inflação em ritmo anual foi de 9,4%.

A inflação ao consumidor nos Estados Unidos acelerou com elevação dos preços da gasolina e dos alimentos, resultando em junho em 9,1%, a maior taxa anual em 40 anos e meio. As expectativas são de que o Federal Reserve, banco central local, aumente os juros em 0,75 ponto percentual em setembro.

Fonte R7

Marcadores: , , , , , , , , , ,

22 de ago. de 2022

Após ficar mais caro do que gasolina, preço do leite começa a recuar no país

 Bebida subiu mais de 25% no varejo e acumula alta de quase 80% no ano

JPCN.Blog | Após ficar mais caro do que gasolina, preço do leite começa a recuar no país

A fase mais crítica da disparada do preço do leite, que fez do produto o vilão da inflação e diminuiu sua presença nas prateleiras dos supermercados, está ficando para trás. A queda de preços no atacado que começa a ser registrada neste mês por causa da maior oferta e também do fim do período de seca já começa a trazer um alívio para o bolso do consumidor.

Em julho, o leite subiu mais de 25% no varejo e acumulou alta de quase 80% no ano, segundo o IPCA, a medida oficial da inflação do país. Mas, desde o início de agosto até a última terça-feira (16), a cotação média do litro de leite no atacado de São Paulo já caiu quase 17%, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

“O pior momento de alta de preços acho que já passou”, afirma Samuel José de Magalhães Oliveira, pesquisador em economia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Gado de Leite. Ele pondera que o nível de preços anterior à pandemia não deve ser retomado, mas acredita que as cotações muito elevadas devem ceder neste segundo semestre. O economista-chefe da Associação Paulista de Supermercados (Apas), Diego Pereira, é outro que aposta num recuo de preços ao consumidor em meados de outubro.

Já a rede Hirota, com 18 supermercados, 23 lojas express e 91 pontos de venda em condomínios, registrou queda em torno de 20% no custo do leite este mês. Hélio Freddi, diretor da rede, conta que está repassando essa redução aos clientes.

No mês passado, o leite de caixinha foi o produto campeão de falta nos supermercados, com uma ruptura de 22,7% do volume regulamente ofertado. É o maior índice registrado pelo produto no varejo em três anos, desde janeiro de 2019, aponta pesquisa nacional da consultoria Neogrid. A empresa monitora eletronicamente 80% das maiores redes de supermercados. Pereira, da Apas, diz que a falta do produto no varejo é resultado das negociações mais intensas entre os supermercados e os laticínios, exatamente por conta da alta de preços.


Entressafra

Segundo Oliveira, da Embrapa, esta foi uma das piores entressafras. No primeiro trimestre, a captação de leite pela indústria, que reponde pela maior fatia do mercado, foi de 5,9 bilhões de litros. É um volume 10,3% menor comparado ao do mesmo período do ano anterior.

No entanto, o quadro começou a mudar. Os preços elevados oferecidos pelas indústrias voltaram a estimular os produtores. Adicionalmente, os sinais de recessão na economia global provocaram queda nas cotações dos grãos e aliviaram custos. “Poucas vezes houve um estímulo tão forte via preço para o aumento da produção como neste meio de ano”, frisa Oliveira. Ele conta que há relatos de produtores que estão dando mais ração aos animais, a fim de obter um ou dois litros a mais de leite por dia. Essa mudança já começa a ter impacto no aumento da oferta, nos preços e na normalização do abastecimento.


Seca, pandemia e guerra encareceram produção

O pesquisador em economia Samuel José de Magalhães Oliveira, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Gado de Leite, explica que, além da forte seca, uma combinação desfavorável de fatores levou à disparada do preço do leite. Entre eles, estão os choques de preços dos grãos usados na alimentação do gado, como milho e soja, e os lockdowns provocados pela pandemia. Também a guerra entre Rússia e Ucrânia, dois grandes produtores de grãos, encareceu ainda mais o litro de leite.

O resultado foi que os custos de produção dispararam, e o preço oferecido pelas indústrias, pressionado pelo consumo fraco no varejo, não cobriu esse aumento.


Disparada de custos

O pico da alta de custos medidos pela Embrapa ocorreu em agosto do ano passado, quando os aumentos acumulados em 12 meses chegaram a 40%, afirma o pesquisador.

Sem uma remuneração adequada, produtores descartaram matrizes e até desistiram do negócio. Esse quadro explica a alta explosiva de preços no varejo registrada até um mês atrás, com forte redução na oferta do produto nas prateleiras.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo/*InfoMoney

Marcadores: , , , , , , , ,

16 de ago. de 2022

Previsão de inflação para 2022 cai pela 7ª vez seguida e atinge 7,02%

 Previsão de inflação caiu de 7,54% para 7,02% nas últimas quatro semanas

Previsão de inflação caiu de 7,54% para 7,02% nas últimas quatro semanas

Os analistas do mercado financeiro consultados semanalmente pelo BC (Banco Central) cortaram, pela sétima semana consecutiva, as expectativas de inflação para 2022. Conforme as novas projeções, o índice oficial de preços deve encerrar o ano em 7,02%, ante alta prevista de 7,11% há uma semana.

Há quatro semanas, a expectativa era de um salto para 7,54% para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) no acumulado dos 12 meses finalizados no próximo mês de dezembro.

As previsões menores para a inflação surgem no momento em que estados reduzem a alíquota do ICMS sobre gasolina e energia elétrica — após o governo federal ter zerado o PIS/Cofins sobre a gasolina e o etanol até o fim deste ano.

As isenções fiscais já surtiram efeito e motivaram a maior deflação da economia brasileira desde 1980, ano que marca o início da série histórica do indicador, e devem resultar em uma nova queda de preços neste mês de agosto.

A redução de 0,68% dos preços no mês passado foi guiada, justamente, pelos valores dos combustíveis (-14,15%) e das tarifas de energia elétrica (-5,78%), mas esconde altas significativas em outros itens, principalmente os alimentos.

Mesmo menores, as novas expectativas ainda mostram que o IPCA chegará ao fim deste ano acima da meta estabelecida pelo governo para o período, de 3,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto (de 2% a 5%).

O próprio BC já admite que o índice oficial de preços vai furar o teto da meta preestabelecida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) pelo segundo ano seguido, conforme dados apresentados na última edição do RTI (Relatório Trimestral de Inflação). Segundo o documento, a possibilidade de a inflação superar o teto da meta em 2022 é de 100%.

O novo furo do teto da meta também é previsto pelo governo federal, que revisou para 7,9% a expectativa de inflação para este ano, de acordo com projeções apresentadas pelo Boletim Macrofiscal, divulgado pelo Ministério da Economia.

Com a nova previsão, a expectativa para o dólar segue em R$ 5,20. Para os preços administrados, tais como energia e combustíveis e planos de saúde, a expectativa passou de -0,92% para -1,12% neste ano. Há quatro semanas, a aposta era de uma alta na casa dos 1,74% e a queda das previsões pela 12ª semana seguida é resultado da redução dos tributos sobre os combustíveis em razão do corte dos impostos.

Para 2023, a previsão para o índice oficial de preços aumentou pela 19ª semana seguida, para 5,38%, aposta também acima da meta definida para o ano que vem. Já para 2024, as expectativas para o IPCA subiram de 3,3% para 3,41%.

*R7 

Marcadores: , , , , , , , , ,

12 de jul. de 2022

Preço do litro de leite dispara podendo chegar a R$10. O que explica?

Inverno ainda mais seco por causa da La

Niña e alta no frete e nos fertilizantes por

querra na Ucrânia fazem item disparar

quase 30% este ano

Reprodução 


O preço do leite deu um salto nas últimas

semanas e, em alguns supermercados, já

há marcas vendendo o litro por R$ 9,49.

Mas, afinal, por que o leite está tão caro? E

quando os preços devem começar a

ceder?


Este ano, desde janeiro, o leite longa vida

ficou 28,5% mais caro, sequndo dados do

PCA-15, que mede a inflação até o último

dia 15 de junho. Só nos últimos 30 dias, a

alta foi de 3,45%, bem acima da média dos

alimentos no período, que subiram só

D,25%.


O período seco de inverno

tradicionalmente faz os preços do leite

subirem, porque o pasto fica mais

escasso, prejudicando a produção leiteira.

Este ano, o La Niña, fenômeno climático

que acentua a estação seca, e a disparada

nos preços dos combustíveis e

fertilizantes, por causa da guerra na

Ucrânia, acentuaram a alta no leite.


"Como consequência, a estrutura produtiva

agora enfrenta dificuldades para aumentar

a oferta (de leite), e os preços ao produtor

estão se elevando desde janeiro. Tanto a

alimentação concentrada (ração) quanto a

volumosa (pastagem) são afetadas pela

alta de combustíveis e fertilizantes",

explica.


No campo, segundo dados do Cepea, o

valor pago ao produtor de leite já subiu

20,6% este ano.


No Rio de Janeiro, o preço do leite longa

vida já chega a R$ 9,59 em alguns

supermercados, como no caso da garrafa

da marca Parmalat vendida no Zona Sul.


_*BlitzNews Notícias*_

Marcadores: , ,

11 de jul. de 2022

Inflação: Brasileiros tem trocado almoço por lanches para driblar alta de preços, aponta pesquisa

 SENTINDO NO BOLSO

Alsor S/A . News | Inflação: Brasileiros tem trocado almoço por lanches para driblar alta de preços, aponta pesquisa

Um relatório que analisa o consumo das famílias, produzido pela consultoria Kantar, aponta que os brasileiros têm mudado as refeições por lanches para driblar o aumento dos preços dos alimentos.

Segundo a pesquisa, para compensar alta de preços e suprir a necessidade de comer fora de casa, o consumidor prioriza snacks (petiscos ou lanches) em detrimento de refeições completas, que exigem desembolso maior. Enquanto o valor médio de uma refeição completa é de R$ 43,94 (alta de 21% na comparação com o 1º trimestre do ano passado), a média de gastos com lanches é de R$ 10,43 (alta de 11%).

Outro dado apontado na pesquisa revela que, no primeiro trimestre deste ano, as famílias reduziram os gastos fora de casa e priorizaram o consumo dentro do lar. A mudança é justificada pelos impactos da inflação, com a alta dos preços dos produtos.

Marcadores: , , , , ,

Preço da carne bovina aumenta mais de 90% em dois anos

 INFLAÇÃO $. 

O valor da carne vermelha teve aumento de mais de 91% entre março de 2020 e maio de 2022.

O frango também teve uma alta de 70% no mesmo período.

A guerra na Ucrânia e a inflação no Brasil impactam no preço das proteínas.

Vários países no mundo sofrem com a alta dos preços dos alimentos. 

A crise pós-pandemia também tem colaborado com a alta dos preços, principalmente dos combustíveis derivados do (Petróleo).

📸Agência Brasil

Marcadores: , , , , , , , ,