Bitcoin chega a 13 milhões de pesos com colapso da Argentina

 Falta de dólares chega a um estágio crítico na Argentina.

Alsorsa.News |
Imagem: Shutterstock

Um anúncio por parte do Banco Central da República Argentina, decretando feriado bancário na segunda-feira, foi o estopim para uma corrida cambial no país.


As reservas estrangeiras em dólar da Argentina, que o BRCA alegava estar em US$37 bilhões, podem ser na prática negativas.


Isso ocorre pois boa parte do que o governo considera como reserva cotada em dólares, é na verdade Yuan chinês, fruto de um acordo cambial do BRCA com o PBOC, o BC chinês. 


A estimativa não oficial é de que as reservas de dólar do país seriam na realidade de US$5,7 bilhões negativos. 


Agora, em meio ao colapso do Peso, que saiu de 20 pesos para 1 dólar em 2018 para os atuais 497/1, os argentinos bem buscando meios de transferir seu patrimônio para outros ativos.


O Bitcoin, oficialmente cotado em AR$6,75 milhões  está sendo negociado a AR$13 milhões no mercado paralelo.


Ao contrário do dólar, que possui cada vez mais restrições para compra impostas pelo governo, as transações em Bitcoin são mais fáceis, uma vez que é possível transacionar sem envolver instituições financeiras


A cotação da maior criptomoeda tem seguido na Argentina um caminho oposto a sua cotação em dólar, que recua cerca de 4% na última semana. Em pesos, a valorização chega a 20%.


Agora o ministro da economia, Sérgio Massa, espera rever o acordo com o FMI, que inclui cláusulas para dificultar a adoção de cripto.


Em meio a uma seca histórica, o país se prepara para uma entrada ainda menor de dólares neste ano. 


*BlockTrends