5 motivos para NÃO usar o Google Chrome como navegador

Navegador consome muita memória RAM, pode provocar lentidão no sistema do PC, e não fornece uma privacidade assertiva de dados; saiba mais

Alsorsa.News
Imagem: Shutterstock

O Google Chrome ainda é um dos navegadores mais utilizados do momento nos computadores e dispositivos móveis. Contudo, apesar de eficiente, o browser pode apresentar algumas inconsistências que prejudicam a experiência do usuário durante a navegação e ainda impactar negativamente no funcionamento do PC. Por isso, separamos uma lista com cinco motivos para você não usar o Google Chrome.


1. Alto consumo de memória RAM

Alsorsa.News
Reprodução: Fabian Irsara/Unsplash

A memória RAM é uma peça de hardware utilizada para guardar temporariamente os dados de um software e promover a transferência adequada destes dados no computador. Isso significa que os dados de qualquer aplicativo sempre passam pela memória RAM, o que a torna um objeto crucial para o PC.


Dito isso, vale ressaltar que o Google Chrome consume muita memória RAM. Na prática, isso pode deixar o seu PC lento, assim como o desempenho geral do próprio navegador, e ainda diminui consideravelmente a eficiência para carregar conteúdo ou baixar arquivos. Nesse ritmo, realizar tarefas simples, como abrir documentos, pode transformar a sua rotina em um verdadeiro pesadelo.


2. Problemas de privacidade

O Google já foi criticado várias vezes pelo público devido à forma como trata os dados de seus usuários. Isso porque uma vez que você realiza login em sua conta e acessa o navegador, o sistema filtra tudo o que você busca e consome e bombardeia a sua experiência com inúmeros anúncios publicitários.


Há sempre a possibilidade de instalar extensões que bloqueiem os anúncios, mas testes de eficácia utilizados pela Electronic Frontier Foundation desvendaram que as instalações convencionais não podem bloquear completamente os artifícios de análise do Google –– que, mais cedo ou mais tarde, divulgaria mais publicidade.


3. Funcionamento exagerado

Alsorsa.News
Reprodução: Simon/ Pixabay

Além de devorar a sua memória RAM enquanto você utiliza o navegador, o Chrome também permanece ativo mesmo depois que você fecha as janelas. A justificativa para isso é a necessidade de instalar mais atualizações que visam “melhorar” a qualidade de navegação do usuário ou até para corrigir problemas de segurança. De qualquer forma, essa característica do browser consome memória e exibe notificações em segundo plano. Para evitar que isso aconteça, é recomendado desativar a opção de rodar em segundo plano.


4. Ausência de redes sociais indexadas

Muitos usuários utilizam uma série de sites enquanto navegam pela internet, de maneira que é necessário sempre carregar mais uma aba para exibir o conteúdo que procura. Browsers como o Opera já vem com redes sociais indexadas: o usuário clica no ícone do aplicativo, presente na barra lateral, e consegue fazer login na mídia digital de forma simples e sem a necessidade de abrir mais uma janela no navegador. Essa funcionalidade ainda não está presente no Chrome, o que incentiva o usuário a abrir mais abas e o excesso de conteúdo processado pode comprometer a experiência do navegador.


5. Incapacidade de limitar o consumo de memória

Alsorsa.News
Divulgação: Opera

Alguns navegadores, como é o caso do Opera GX, acompanham uma função muito interessante: limitam o consumo de memória RAM enquanto são utilizados, o que é útil para não devorar o sistema da máquina e ainda pode combater a lentidão durante o uso. O Google Chrome não possui essa configuração, o que torna o PC refém de um browser mais lento e que pode engasgar o funcionamento geral da máquina.


*Olhar Digital