Bard: como Google quer desbancar ChatGPT na corrida da inteligência artificial

 Bard: como Google quer desbancar ChatGPT na corrida da inteligência artificial

Alsorsa.News

Getty Images 


O Google começou a corrida para desenvolver chatbots de inteligência artificial (IA) em um ritmo mais lento do que a rival OpenAI, mas a diferença está diminuindo.


A gigante da tecnologia lançou uma versão atualizada de sua plataforma, chamada Bard, em 10 de maio, em um esforço para oferecer aos usuários recursos que o ChatGPT-4 possui, e outros ainda melhores.


As diferenças entre os dois sistemas ainda são perceptíveis, mas especialistas acreditam que a corrida está ficando mais disputada.


"No momento, o ChatGPT-4 tem uma clara vantagem. Já o Bard está chegando como um desafiante, não como um líder", diz Ricardo Carreón, CTO da Hexabit, uma empresa de IA com sede no Texas, Estados Unidos.


"Mas eles ainda vão ficar mais próximos, e vai ser uma verdadeira competição entre as plataformas. A questão será como a base de usuários evolui em ambas. No final, o que está em jogo é quem vai ter mais usuários", disse Carreón à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC.


Uma das principais limitações do Bard é que ele só aceita instruções em inglês, japonês e coreano.


Até o momento, não foi lançada a prometida adaptação para mais de 40 idiomas com os quais a nova versão foi apresentada.


"À medida que continuamos a desenvolver o Bard de forma responsável, estamos gradualmente expandindo o acesso a mais países e regiões em inglês. Continuaremos a implementá-lo ao longo do tempo", disse uma fonte do Google à BBC, sem especificar datas.


Pelo contrário, uma vantagem do chatbot do Google é que ele é gratuito enquanto a versão ChatGPT-4 custa US$ 20 (cerca de R$ 99).


Fora isso, quão próximos ou distantes estão os novos recursos do Bard em comparação com o ChatGPT-4?


1. As imagens no Bard

Até alguns meses atrás, a interação com os chatbots do Google e da OpenAI era limitada a textos.


Mas em uma era em que a internet privilegia o visual, isso aparentemente não era adequado.


A OpenAI quebrou a barreira ao apresentar o ChatGPT-4 em março com a integração de imagens ao seu chatbot.


O Bard igualou esse recurso em sua nova versão, algo que acelera o ritmo da competição.


A função mais básica é receber instruções com base em uma imagem. Por exemplo, você pode perguntar onde está aquela obra de arte que alguém compartilhou no Instagram sem mencionar a fonte.


Por outro lado, há a oferta de respostas em imagens. Com isso, por exemplo, você pode pedir a ele que lhe apresente fotos das pinturas mais visitadas do Museu do Louvre em Paris e receberá a resposta com texto e fotos em segundos.


Mas a inovação da IA ​​vai além: “Não é só procurar uma foto, é ler o que está na foto e, a partir disso, conseguir executar uma determinada ação”, explica Carreón.


“Se eu tenho ovos, tomate, cebola na mesa e pergunto ao robô 'o que posso fazer?', ele pode me sugerir alguns ovos mexidos e mostrar a receita com esses ingredientes. Aí ele já reconhece o que está na foto e vai além de procurar imagens semelhantes. É entender o que há nelas."

Alsorsa.News
Google | O Bard combinou com a capacidade multimodal do ChatGPT-4, que permite a leitura do conteúdo da imagem.


Essa capacidade é chamada de "função multimodal": em vez de dar instruções ao chatbot apenas em texto, ele também é capaz de entender imagens. Outro recurso que ainda não está disponível, mas foi anunciado, é a geração de imagens AI da Adobe.


Quando for lançado, você poderá pedir para ele criar a imagem com a combinação de elementos que você indicar. Uma foto do seu animal de estimação usando um chapéu de aniversário? É algo que você poderia pedir.


Já o Google diz que essa função ainda está em fase de experimentação.


"Queremos implementá-lo de forma gradual e responsável", disse a fonte consultada pela BBC Mundo. Isso seria um grande avanço em relação ao ChatGPT-4, que não revelou planos para um recurso semelhante.


2. Integração com outros serviços

Ter as informações que os chatbots de IA oferecem é um primeiro passo, mas e depois?


Na nova versão do Bard, o Google agora oferece uma "saída" direta dessas informações para seus serviços em nuvem.


Você pode trazer o conteúdo diretamente para o seu gmail ou pedir a ele que escreva um pedido de folga para seu chefe. Ou, no serviço Docs, você pode pedir a ele para compor uma música para seu pai.


O chatbot da OpenAI oferece apenas um botão para copiar o conteúdo para a área de transferência.


"No final das contas, o mundo do Google está brigando com o mundo da Microsoft com o ChatGPT-4. Também o anunciou como co-piloto por e-mail, no Office, para programadores no GitHub, será seu co-piloto no Windows", avisa Carreon.


“Assim, em determinadas funções do Windows, você poderá recorrer a um assistente de inteligência artificial para realizar determinadas tarefas dentro do sistema operacional”, acrescenta.


O que realmente se espera da indústria de IA não é apenas criar chatbots, mas também adaptar essa enorme capacidade de processamento e aprendizado de informações a outros aplicativos de uso diário ou especializado.


"Com um aplicativo de reserva de restaurante, integrando inteligência você já pode dizer no chat para recomendar um lugar que seja vegano, que fique aberto até à 0h. Ele te dá a lista e você diz onde quer reservar " , aponta Carreón.


Alsorsa.News

Crédito,Getty Images | O Google apresentou os novos recursos do Bard em sua conferência de desenvolvimento em 10 de maio.

3. Amostra de fontes de informação

Tanto o Google quanto alguns especialistas destacaram os recursos aprimorados de raciocínio matemático ou codificação em mais de 20 linguagens de programação que a nova versão do Bard oferece.


Mas esse tipo de coisa só é percebido pelos profissionais dessas áreas.


No entanto, um recurso adicional do Bard que foi destacado para uso regular do usuário é a lista de fontes que agora é feita pelo chatbot do Google.


A IA levantou preocupações sobre as "alucinações" que esses chatbots venham a apresentar. Esse é o nome dado à informação errônea, imprecisa ou deficiente que eles produzem a partir de seus enormes bancos de dados e de sua própria capacidade de produzi-la com base no aprendizado.


O Bard agora exibe as várias fontes das quais extraiu informações, algo que o ChatGPT não faz. Isso ajuda a aumentar a confiança nos resultados, que podem ser verificáveis.


Para Carreón, isso é valioso, mas ele alerta que é preciso ter cautela e julgamento crítico sobre o que o chatbot apresenta.


"A IA acessa informações de seu pool de dados. Mas também é verdade que ela gera informações, porque conforme o modelo aprende, haverá algumas informações que não vêm de um determinado local", explica.


"Se ele já aprendeu que existe uma boa solução para um problema, não necessariamente vai apresentar os links. Mas como ainda existe um certo erro nesses programas, é muito importante que todas as pessoas que usam IA verifiquem o resultado final, pois às vezes há erros."


Para o especialista da Hexabit, os usuários devem ter claro que a IA não é um mero buscador de informações.


O objetivo dos desenvolvedores foi criar uma ferramenta com a capacidade de imitar o aprendizado e o raciocínio humanos.


"Como diz Bill Gates, a pesquisa como a conhecemos hoje provavelmente vai desaparecer. E isso tem enormes implicações, não apenas para o Google, mas para todos os editores de conteúdo que usam o Google como sua principal plataforma de tráfego", diz ele.


"Acho que muita gente ainda não percebeu que isso vai mudar tudo. E já está acontecendo, tem muita coisa mudando."


BBC News