JPCN Blog
Live
wb_sunny

Breaking News

Eles ajudaram a treinar a IA do Google, depois foram demitidos

Eles ajudaram a treinar a IA do Google, depois foram demitidos

Ex-funcionários do Google alegaram que foram demitidos após levantarem preocupações sobre IA e suas condições de trabalho

Alsorsa.News
Imagem: Rafapress/Shutterstock

Um grupo de trabalhadores encarregados de treinar o Bard, novo chatbot de IA (inteligência artificial) do Google, disse que foi demitido por falar sobre salários baixos e prazos absurdos. Eles acreditam que isso os deixou incapazes de fazer seu trabalho adequadamente e garantir que o bot não cause danos.


Para quem tem pressa:

■ Um grupo de trabalhadores – encarregados de treinar o Bard, do Google – alegam que foram demitidos ilegalmente pelo seu empregador por se organizar;


■ Entre as motivações para sua demissão, eles dizem estar represálias por terem falado sobre salários baixos e prazos absurdos;

■ Eles eram funcionários da Appen, que fornece mão de obra para grandes empresas de tecnologia, como o Google;

■ A empresa demitiu o grupo após um deles enviar uma carta ao Congresso dos EUA, na qual escreveu que essas condições poderiam levar o Bard a agir perigosamente;

■ Uma porta-voz do Google disse que essa é uma questão entre os trabalhadores e a Appen.


Numa queixa, apresentada ao Conselho Nacional de Relações Trabalhistas dos EUA nesta quarta-feira (14), seis trabalhadores alegam que foram demitidos ilegalmente pelo seu empregador Appen – que fornece milhares de trabalhadores para grandes empresas de tecnologia – por se organizarem.


Trabalhadores no Google 

Alsorsa.News
(Imagem: Wikimedia Commons)

Os trabalhadores dizem que passaram quase um ano lutando por salários melhores e condições de trabalho. E foram demitidos duas semanas depois que um dos mais proeminentes organizadores entre eles enviou uma carta ao Congresso dos EUA. Nela, ele escreveu que essa situação poderia levar o Bard a agir perigosamente.


Os trabalhadores que avaliam os chatbots “muitas vezes não têm tempo suficiente para avaliar respostas mais longas”, escreveu um dos trabalhadores, Ed Stackhouse, de 49 anos, numa carta de 15 de maio a dois senadores que lideram uma audiência no Congresso sobre os riscos da IA. “O fato de os avaliadores serem tão explorados pode levar a um produto defeituoso e, em última instância, mais perigoso.”


A Appen disse aos trabalhadores que eles foram demitidos por causa de “condições de negócios”, segundo Stackhouse. Mas a empresa não respondeu aos pedidos do The Washington Post de comentários sobre o caso.

A Appen é responsável pelas condições de trabalho de seus funcionários, incluindo salários, benefícios, mudanças de emprego e as tarefas atribuídas a eles. É claro que respeitamos o direito desses trabalhadores de se filiar a um sindicato ou participar de atividades de organização, mas é uma questão entre os trabalhadores e seu empregador, Appen.

Courtenay Mencini, porta-voz do Google


Preocupações sobre IA 

Alsorsa.News
(Imagem: Thinkstock)

Com a carta ao Congresso, os trabalhadores se juntaram a um coro crescente de vozes preocupadas com a rápida implantação de ferramentas de IA em ferramentas abertas a milhões de pessoas.


Pesquisadores de IA, políticos e defensores da tecnologia levantaram preocupações de que a tecnologia está infundindo viés em produtos tecnológicos, permitindo o cibercrime, substituindo alguns trabalhadores – e pode eventualmente exceder o controle humano.


O que inicialmente era uma luta para garantir melhores condições de trabalho para eles se tornou algo maior – o impacto da IA ​​na sociedade, conforme disse Stackhouse.


Contexto

Alsorsa.News
(Imagem: Victor Habbick Visions/Science Photo Library/Getty Images/Google/Microsoft)

Uma explosão de interesse em IA por parte de empresas e consumidores deu início a uma corrida armamentista entre o Google e sua arquirrival Microsoft para desenvolver e vender ferramentas de IA e colocar a tecnologia em produtos existentes, da Busca do Google ao Microsoft Word.


O boom foi desencadeado pela OpenAI, uma empresa muito menor, que lançou o ChatGPT, em novembro de 2022, surpreendendo o mundo com sua capacidade de conduzir conversas convincentes, passar em exames profissionais e escrever código de programação.


Os especialistas atribuem o sucesso da OpenAI, em parte, ao uso de testadores e treinadores humanos para refinar o bot e ensiná-lo a ser menos ofensivo e mais interessante do que as versões anteriores da tecnologia.


O ritmo acelerado e a natureza competitiva do boom da IA ​​estão causando preocupação entre os especialistas em ética da IA, que dizem que a tecnologia reflete preconceitos racistas e sexistas que existem nas resmas de dados aspirados da Internet e usados ​​para treiná-los. E os bots rotineiramente inventam informações falsas e as passam como reais.


*Olhar Digital/*Com informações do The Washington Post

Tags

Newsletter

Não perca nenhuma novidade; acesse agora, e receba as notícias em primeira mão.

Postar um comentário

Obrigado por comentar! 😉✌