Vírus troca chave Pix e faz ‘limpa’ na conta; veja como se proteger

Ameaça entra no celular por meio de apps baixados fora da loja oficial do sistema Android

Imagem ilustrativa) Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A notícia da descoberta de uma nova ameaça digital, que permite que criminosos roubem valores de Pix de um celular sem que o usuário perceba, tem chamado a atenção na web. O vírus, detectado pela empresa de softwares de segurança Kaspersky, atua por meio de um aplicativo disfarçado que, instalado no celular, consegue trocar a chave Pix durante uma transferência bancária.


A ameaça funciona da seguinte maneira: o vírus vem escondido dentro de um app que é baixado fora da loja oficial do Google. A vítima acessa um site que diz que se a pessoa baixar um aplicativo de extensão .APK [formato de arquivos de apps Android] e abrir um baú, ela ganhará dinheiro.


Instalado, o aplicativo em questão mostra uma notificação e diz que é necessário fazer uma atualização falsa de um leitor de PDF ou do Flash Player e exige que seja liberada uma permissão de acessibilidade. Na sequência, o usuário segue para as configurações do Android e libera o recurso de acessibilidade, que abre caminho para o acesso remoto do criminoso.


Uma vez no aparelho, a ameaça consegue trocar a chave Pix durante uma transferência bancária para uma do criminoso. Além disso, ela pode mudar também o valor da transferência com base no quanto a vítima tem no banco. A única parte diferente no processo é um certo tremor na tela.


O novo vírus, chamado de Brats, não exige que o cibercriminoso esteja em frente ao computador para executar a transferência bancária, já que a própria ameaça faria todo o trabalho roubando as pessoas. Para evitar ter o celular contaminado pelo vírus, existem algumas dicas. Confira:


– Não instale apps fora da loja oficial do Android, já que boa parte das ameaças, segundo a Kaspersky, são instaladas dessa forma;

– Caso instale algum aplicativo que peça a permissão de acessibilidade, não dê;

-Tenha um antivírus instalado no smartphone já que, com mais transações feitas pelo celular, há uma migração do cibercrime do computador para dispositivos móveis.

*Pleno.news